Encargos sociais. Custo de um Trabalhador

É importante saber quanto representam os recursos humanos, nomeadamente os encargos sociais, na estrutura de custos fixos de uma empresa.

 

No momento da decisão do reforço do capital humano da sua empresa é necessário avaliar o lado financeiro e qual o impacto dos encargos sociais e salariais na estrutura de custos da empresa.

Os recursos humanos de uma organização, contribuem decisivamente para o crescimento da mesma, mas o lado financeiro não deve ser esquecido. É necessário que haja um equilíbrio entre os custos com os trabalhadores e o montante que o seu negócio permite pagar.

Para determinar o custo mensal de um colaborador, onde se incluem os encargos sociais, devemos ter em consideração as seguintes rubricas:

 

Qual o salário base mensal do trabalhador?

Deve ser definido o salário base, o qual é sujeito às contribuições para a Segurança Social (encargos sociais) e ao seguro de acidentes de trabalho. A contribuição das empresas para a Segurança Social, chamada de Taxa Social Única (TSU) é, atualmente, de 23,75% de um total de 34,75% com a parte do trabalhador incluída (11%). Quanto ao seguro de acidentes de trabalho, é também um gasto obrigatório, e o seu valor não é fixo e não excede, normalmente, 1% do salário a pagar.

Estes custos são liquidados numa base de 14 meses.

 

Qual o valor do subsidio de alimentação?

Depois disso, há que calcular o gasto com o subsídio de refeição, o qual é efetivamente pago em 11 meses (meses de trabalho efetivo) não sendo pago no mês em que o trabalhador está de férias. O seu valor diário está sujeito a limites de isenção em sede de IRS e de TSU. As empresas têm, no entanto, outra modalidade de pagamento do subsídio de refeição disponível, que é através de cartão refeição, um cartão pré-pago atribuído a cada trabalhador e que é carregado pela empresa, mensalmente, e cujo saldo poderá ser utilizado na generalidade dos estabelecimentos de restauração, supermercados e estabelecimentos afins. Neste caso, o limite de isenção para efeitos de IRS e TSU aumenta para os 7,23€ diários.

 

Outros gastos, quais?

Existem ainda outros gastos que devem ser considerados, nomeadamente os relacionados com a medicina, higiene e segurança no trabalho, assim como os gastos relacionados com a formação profissional dos trabalhadores, a qual é obrigatória por lei e deverá ser frequentada pelo trabalhador num mínimo de 35 horas por ano.

 

Exemplo para um salário de 800€

  • Salário Base: 800€ x 14 meses = 11.200€ / 12 meses = 933,33 €
  • Encargos Sociais: 800€ x 23,75% = 190€ x 14 meses = 2.660 € / 12 meses = 221,66 €
  • Seguro Acidentes de Trabalho: 800€ x 1% = 8€
  • Subsidio de Alimentação: 5,11€ x 22 dias úteis = 112,42 € x 11 meses = 103,05 €

Custo total mensal = 933,33 € + 221,66€ + 8€ + 103,05€ = 1.266,04 €

Custo total anual = 15.192,48 €

 

Tem alguma dúvida que nos queira colocar? Teremos todo o gosto em conversar sobre o assunto.

Contacte-nos

 

Lei também: